Caminhada

Uma terça-feira de Dezembro, que puta noite mal dormida! Nem quis tirar meus sapatos, só queria chegar em casa e desmaiar – e isso quase aconteceu na rua. Quantas horas um homem de vinte e poucos anos consegue caminhar? Bem, sentava por alguns minutos, fumava um cigarro, olhava para os lados. Uma vez, às 17 e 40h, eu acho, entrei em uma padaria – sem querer um pão francês. Comprei um café, em um copo de vidro (por trinta centavos) e fiquei ali, no balcão, ouvindo a conversa dos outros. Sei lá, às vezes, gosto de me desligar… como dizem: ´´pensar no problema dos outros ajuda nos seu´´; o fato é que nunca resolveu nada pra mim, mas pode ser divertido.

Naquela abençoada tarde, que só ampliava minha perdição, dois homens comuns desfrutavam de um biscoito de queijo e refrescos que, na verdade, não refrescavam a garganta, enquanto curtiam devaneios sobre o futebol de Domingo. Um sofria pela derrota de seu time do coração, já o amigo, comemorava, sentindo profundo prazer pela frustração do outro. Ah, essa lei da compensação me persegue! Mas, como nunca gostei de futebol, levantei e fui embora.

Vontade de andar? Até que não sentia, mas não havia muita opção. Estava ali sem estar. Sabe quando você sente que as pernas se movimentam em uma direção automática? De forma totalmente mecanizada e você, simplesmente, vai?

Um filme passava em minha mente, e apesar de cinéfilo, não queria assisti-lo. Contava alguns fatos de minha vida, desde a infância perturbada e fantasiosa – mas feliz – até essa juventude desnorteadamente irregular. Quantas horas passei refletindo sobre o ciclo que envolve todas as coisas, eu não sei… pensar que o belo existe só porque um feio desfilou em sua frente ou a facilidade apenas se destaca pela existência de barreiras. hm… inconclusivo? a revelação do ano? posso morrer em paz? deprimente? Tudo se esmaga e se acaricia.

E, nessa minha Terça-feira, deveria ter agido diferente, mas não o fiz, não tive vontade.

Sentia ansia pelo erro. Qual o gosto do desrespeito? O do desespero, eu conhecia bem, já que era de praxe senti-lo enquanto os outros se deliciavam com o sabor de minha dúvida e tristeza em seus lábios. Ora, se era tão bom assim, gostaria de experimentar! E apostei todas as poucas fichas que tinha. Estava pronto para a guerra, contra o mundo, contra todos, contra eu mesmo! Armas, armaduras, mordaças, dentes afiados, cartas com lembretes e testamentos. Estufei o peito e o sol brilhou mais. Era isso! Esse era o dia! Tudo estava ao meu favor! Planetas alinhados, respiração acelerada e coração disparado! Não iria esperar mais! Não daria outra chance a esses usurpadores de almas! CHEGA! Abri a porta e saí de casa.

Caminhei.

  • por ShoesOff

10 thoughts on “Caminhada

  1. Interessantíssimo o desfecho da história.
    Fui lendo achando que ia encontrar um fim trágico, haha! Legal!

    Então, não tenho Twitter. Acho que não saberia usá-lo da melhor forma.🙂
    Fico só com Blog e Orkut mesmo.

    =**

  2. Ás vezes o mesmo acontece comigo, começo a andar e mesmo sem saber para onde eu continuo.. isso me faz pensar e é dessas “caminhadas” que eu surgem pensamentos mais complexos.

  3. Sabe que lendo isso deu uma saudade de andar sozinha e despretensiosamente. Eu tenho tido pouco tempo para esse tipo de coisa e uma boa dose de preguiça, acomodação.
    E o texto me lembra também desses momentos, que de repente você se vê iluminado e cheio de respostas, cheio de coragem, força e felicidade para encarar as coisas. Infelizmente esse insides tem sido cada vez mais raros em mim, mas cada vez mais preciosos.

    bom ler isso.
    beijos.

  4. Cara, você assistiu ” a garota mais feliz do mundo” no indie! É bom? Queria muito ter assistido, tinha até anotado o horário para ir assistir na terça feira, que era às 16 horas se não me engano. Que inveja de você. O jeito vai ser tentar baixar depois.

  5. Esperando por outro post, mas como você está um pouco preguiçoso, eu respondo nesse mesmo, ainda.
    Hahaha! Brincadeira.

    Então, acho que consegui passar mesmo a ideia que queria. Terminei o texto e a dúvida de como seria o título me veio à cabeça. Acho que não teria feito melhor mesmo. Obrigada pelo comentário!

    =*

  6. Seu blog é lindo *-*
    Adorei o texto, adorei tudo.
    Obrigada por comentar lá no meu cantinho.
    Beeijo vianjante, voltarei sempre.
    ah, o viajante tem nome? rsrs🙂

    Beijo querido :*

  7. gostei muito do teu também! mas tenho que assumir que discordo! O Amarante é muito melhor que o Camelo! nossa, nem tem comparação!😡

  8. odeio essas carinhas, minha carinha não era pra ter virado isso! humpf! ps: era pra eu ter comentado no post de cima, mas errei! anyway, gostei desse tbm🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s